Os 11 erros mais comuns ao investir

8
6899

Já que estamos mostrando várias dicas de como investir, porque não apontar alguns dos erros mais comuns cometidos por aqueles que querem começar.

Veja abaixo se você se identifica com algum deles.

1 – Você tem preguiça para investir

Lidar com dinheiro é muito chato. Investir então, nem se fala.

Mas saiba que esta preguiça lhe custa caro. Aqueles R$ 20 mil que você deixou parado na sua conta o ano todo fizeram você deixar de ganhar (ou seja, você perdeu) mais de R$ 3 mil.

Já dizia o ditado: “O dinheiro é carente: se você não cuidar dele, provavelmente você vai perdê-lo para quem cuida”.

Muita preguiça?
Muita preguiça?

2 – Você procura dicas para ficar rico de forma rápida e fácil

Não adianta sonhar que você vai enriquecer rápido.

Também não adianta achar que assim que você começar a investir, não vai mais precisar trabalhar.

Ou procurar aquela dica fantástica do trader de forex vencedor que faz análise técnica de opções de rand sul-africano contra peso mexicano e prevê o futuro.

Ou aquele curso que te ensina todos os segredos para você operar na bolsa e ficar rico.

Isso não existe. E você vai descobrir isso da pior maneira possível (isto é, perdendo dinheiro).

Leia estes 2 artigos que publicamos um tempo atrás: Por que você não é rico e Por que você AINDA não é rico.

3 – Você quer começar na velocidade máxima

Se você nunca investiu na vida, não invente: comece na renda fixa.

Para iniciantes, a sensação de volatilidade só é boa quando se ganha dinheiro. Mas quando se perde é horrível.

E com os juros altos que temos hoje, é possível encontrar muitas opções boas com risco baixo. Por isso não há necessidade de correr grandes riscos no começo.

4 – Você tem medo de investir

Um pouco na contramão do item anterior, o fato é que muitas pessoas têm muito medo de investir.

Minha opinião pessoal é que esse medo é totalmente associado a falta de informação, e as vezes a traumas passados.

O problema é que muitas vezes este medo é tão grande que você mantém todo o seu dinheiro debaixo do colchão, parado na conta corrente ou na poupança.

Este medo te faz perder dinheiro todo dia (a chamada “perda fixa”), ao render menos que a inflação. E esta perda é sem risco! Isto é, você vai perder com certeza.

Você deixa dinheiro debaixo do colchão?
Você deixa dinheiro debaixo do colchão?

5 – Você investe em produtos de alto risco sem saber no que está se metendo

Continuando o item 3, o ditado “todos os investidores tem perfil agressivo e de longo prazo, desde que ganhem todo mês e que seja possível resgatar quando quiser” já explica tudo.

Não adianta você querer investir em um produto que tenha a possibilidade de ganhar muito, se não suporta perder dinheiro no curto/médio prazo, e se não for um investimento para longo prazo. Provavelmente você irá resgatar no pior momento e irá ficar bravo e frustrado.

E o pior: nunca mais irá investir depois disso e entrar no item 4.

Você é mesmo agressivo?
Você é mesmo agressivo para investimentos?

6 – Você é ansioso para investir

Qualquer investimento é melhor no longo prazo.

Seja investimentos de baixo risco (como CDBs e outros títulos de renda fixa), que possuem retornos maiores conforme vai aumentando o prazo.

Seja fundos com menor liquidez (ex.: Fundos de crédito privado com resgate em D+30, ao invés de Fundos Referenciados DI com liquidez diária)

E não se esqueça de investimentos de risco mais elevado, como ações e fundos com alta volatilidade. Investir em produtos com alta volatilidade no curto prazo não é recomendado.

7 – Você não planejou bem sua liquidez

Você seguiu a dica anterior, mas você não foi realista ao se planejar.

Você escolheu o título de renda fixa com o maior retorno possível, mas ele tinha prazo de 5 anos. Só que você precisou do dinheiro no meio do caminho e ficou no vermelho.

Ou você comprou uma ação pensando em ficar com ela por mais de 10 anos. Mas precisou do dinheiro antes e resgatou em 6 meses com prejuízo.

8 – Você cai no marketing do produto isento de imposto de renda

Esse não é tão ruim, mas não deixa de ser um erro.

Produtos isentos de imposto de renda (ex.: LCA, LCI, etc) podem ser melhores no curto prazo. E só. No longo prazo diversos outros títulos (ex.: CDB, LC, etc) são quase sempre melhores.

Já discutimos esse assunto com mais detalhes neste artigo.

9 – Você confia muito em pessoas com conflito de interesse

O gerente do banco é sempre o melhor exemplo.

Por mais que ele seja bonzinho e até honesto, ele tem metas a cumprir. Por isso ele nunca vai te apresentar as melhores opções de investimento.

No máximo (se ele for muito bonzinho) ele vai ver quais produtos estão dentro das metas dele, e te apresentar o “menos pior”. E vou te falar, infelizmente estes gerentes que pensam um pouco mais no cliente não costumam durar muito tempo.

Lobo em pele de cordeiro
Lobo em pele de cordeiro

10 – Você não sabe direito as regras do seu investimento

Eu sei que muitas vezes é complicado e chato, mas é necessário saber as regras do seu investimento.

Normalmente só se olha para o retorno. Mas há muitas regras diferenciadas de resgate, tributação e até taxas escondidas.

É válido lembrar que o risco também é sempre mal explicado ou mal entendido.

11 – Você compara laranja com maçã

Existem muitos tipos diferentes de investimento, que se comportam de formas bem diferentes.

Por isso é errado, e até injusto, comparar investimentos de categorias diferentes.

O mais comum é comparar um investimento de alto risco com um de baixo risco apenas quando o mais arriscado está com alto retorno. (Ex.: Bolsa subiu 30% esse ano e a renda fixa “só” 15%).

Desta forma chega-se à conclusão precipitada de que o investimento de alto risco é melhor.

E ele não é melhor, nem pior, ele só é diferente.

Se você deseja receber nossos próximos artigos, deixe seu e-mail abaixo.

Vitor Nagata é editor do Blog do Investidor e profissional da área de investimentos.

LEAVE A REPLY

8 COMMENTS

  1. Olá Victor, vlw por reforçar essas dicas pra não esquecermos. Por ocasião lhe pergunto sobre o que vc acha de ETfs? Vc tem alguma matéria sobre esse tema?

    • Alison, obrigado pelo comentário!
      ETFs é uma forma passiva de investir em ações (hoje no Brasil só temos ainda ETFs de ações, em breve teremos de renda fixa), e eu pessoalmente prefiro investir em um fundo de ações com um bom gestor ativo.
      No momento não temos um artigo sobre ETFs, mas já anotei para fazermos em breve.
      Abs!

  2. São 11 erros que temos que tomar muito cuidado.

    As pirâmides financeiras são campeãs quando se pensa em retorno grande e rápido. E estão proliferando cada vez mais rápido devido as redes sociais.

    Um grande abraço

  3. Opa Victor! Gostei do post! Tenho uma dúvida.
    Eu chequei esse website https://www.coolfinance.com.br e vi taxas de juros para empréstimos pessoais bem pequenos. Seria vantajoso eu pegar um empréstimo e investir em algo com taxas de lucro maiores que do próprio empréstimo? ganharia uma porcentagem e ainda pagaria o empréstimo, ao fim do empréstimo pegava o juros total de lucro.

    Obrigado desde ja!

    • Thiago, muito obrigado pelo comentário!
      Não! Não faça isso nunca! Não há nenhum investimento com baixo risco que renda mais que o que você pagará de juros neste empréstimos.
      Abs!

  4. O importante mesmo é saber muito sobre investimentos, pois percebo que quase todo mundo tem alguma preferência alguns pela renda fixa outros pela renda variável e outros imóveis. Isso como forma de investimento do dinheiro. Enfim, sempre manter-se informado.