Conceitos Básicos sobre Ações

Escrito por: Ulisses Nehmi | Data: 06/06/2011 | Categoria:
Ações

Pra que serve uma empresa? Ora, a resposta dessa pergunta é fácil: pra gerar/agregar valor. E como? Por meio do exercício de uma atividade específica. Opa, e onde entra o lucro nesta história? O lucro será uma conseqüência da boa administração dessa atividade e será distribuído aos investidores da empresa.

E quem é o “dono” da empresa? Os donos da empresa são os investidores, que colocaram capital na empresa para ela exercer sua atividade. Esse capital investido é chamado de capital social e é dividido em pedaços ou frações, chamados quotas ou ações, dependendo do tipo de sociedade. Vamos focar em ações e nas sociedades anônimas, que tendem as ser maiores e mais profissionais.

As ações são, portanto, a menor fração do capital social de uma empresa, e dão ao investidor o direito de receber uma parte dos lucros dela: os dividendos. Quanto maior o dividendo, maior o retorno sobre o patrimônio investido. Este é, de longe, o conceito mais importante sobre ações.

E quem manda na empresa? A resposta novamente é simples: o dono, ou seja, o acionista. O órgão máximo de uma sociedade anônima é a assembléia de acionistas, ou seja, a reunião de todos os seus donos. Eles podem decidir sobre qualquer aspecto relevante da empresa, e as decisões são feitas com base em votação. Logo, quem tiver mais ações, tem mais interesse no sucesso da empresa e também tem mais poder de decisão sobre os rumos da empresa.

Então qualquer pessoa pode ser dono de uma empresa? Sim, é isso mesmo! Apesar de não participar do dia a dia da empresa com o seu trabalho, o acionista está colocando o seu capital para trabalhar e possibilitando que a empresa exerça suas atividades. Para tocar o dia a dia do negócio, uma diretoria é contratada, que se torna responsável pela implementação das estratégias e por reportar aos acionistas. Estes profissionais buscam os melhores resultados, e podem ser substituídos caso os resultados não estejam satisfatórios.

Mesmo assim, ainda pode surgir a dúvida: se uma empresa tiver muitos donos, como são conciliadas as opiniões de todos? É por isso que existem órgãos de governança corporativa como o Conselho de Administração, que é eleito pelos acionistas para representá-los perante a diretoria, da mesma forma que os cidadãos de um país elegem deputados e senadores, para representá-los perante o governo. Assim, apenas alguns assuntos específicos, ou a própria eleição dos membros do Conselho de Administração, são levados à assembléia de acionistas. O estatuto social da empresa, que é o documento máximo dentro da empresa, define todas essas regras, quais os poderes de cada diretor, o que a empresa pode fazer, o que precisa da aprovação da assembléia de cotistas, etc.

Ok, e nesta história onde entram a bolsa de valores, os preços das ações, etc? Para ilustrar um caso, vamos imaginar o que acontece se um acionista precisar do dinheiro que investiu na empresa. O acionista pode vender suas ações para outros investidores, e isso é feito através de mercado secundário. Nesse caso, o antigo acionista cede a sua participação ao novo acionista em troca do valor atualizado do seu investimento em dinheiro, que é calculado em função do preço de cada ação.

Assim como um corretor de imóveis, que faz a ponte entre as partes interessadas em comprar e vender um imóvel, as corretoras de valores fazem a intermediação entre investidores querendo comprar e vender ações de empresas de capital aberto. A bolsa de valores é um mercado organizado utilizado pelas corretoras para buscar mais liquidez para seus clientes, e é o ambiente no qual as ações são negociadas.

Dessa forma, observamos que o investimento em ações é uma forma bastante interessante de colocar o nosso dinheiro para trabalhar, e esse é sempre um investimento de longo prazo. Os frutos podem ser muito bons, mas é fundamental conhecer esses princípios básicos, assim como escolher uma estratégia adequada para cada tipo de objetivo. Feita essa introdução, vamos nos aprofundar mais no assunto nos próximos artigos.

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

*

Receba as novidades do Blog do Investidor